4 de mai de 2012

| | | 0 comentários

Desenhar figuras é uma forma ociosa de

concluir uma manhã de estudo improfícuo.

Entretanto, é em nosso ócio, nos nossos sonhos,

que a verdade submersa às vezes vem à tona.



Um exercício de psicologia, mostrou-me, ao

examinar meu caderno,

que o esboço do céu chuvoso fora feito com raiva.

 A raiva se apossara de meu lápis, enquanto eu sonhava.

Mas o que estaria a raiva fazendo ali?



Amanda Medina

3 de mai de 2012

| | | 0 comentários

Para enfrentar tudo aquilo

Precisaria ter garras de aço e bico de bronze

até para penetrar a casca.



Como chegarei a encontrar as sementes

da verdade enterradas em toda esta massa

de desculpas?



 perguntei a mim mesma, e em desespero

comecei a percorrer com os olhos a longa lista de

fatos.



 Até os não ditos davam-me alimento

para a mente.

Amanda Medina

30 de abr de 2012

| | | 0 comentários

A cidade era como uma oficina.

A cidade era como uma máquina.

Todos estávamos sendo atirados

 de um lado para outro

 nessa verdadeira fundição

para fazer algum

molde.
Amanda Medina



Numismata

28 de abr de 2012

| | | 0 comentários

Busco vocabulário contemporâneo

Para definir sentimentos antigos

Aqueles indefinidos do mundo.


O mundo quando nasceu

Jogado no sistema
Sentiu-se só.



E desta solidão densa,
Viscosa talvez

Se fez companheiro.



Quantos de nós
Pelos séculos
Adentro e afora
Nos sentimos mundo?
  e desacolhido.


 Parimos a nós mesmo
Tememos nosso grito

Amamos a solidão
...Como á um vício

Doce veneno!

...e em lapsos de consciência

queremos partilhar
nossas solidões?


 o instante... passa.

a vida passa

até o amor passa

mas a solidão
permanece .


Amanda Medina.

Siamesas

27 de abr de 2012

| | | 0 comentários

O Aloé
Que floresce uma vez a cada cem anos
Florirá 2 vezes
Antes da verdade.
Desabrochar .

...ou será desabar?
tetos e paredes
minha estrutura
minha fagulha.

ego
ego
ego
ego
ismo de doença
doente
ego
ego
ego
eu
sem
apenas eu
sempre apenas eu
pra sempre

ego ego ego

Criança ridícula, ela me diz
Não entendes que és minha...única e sempre.
És pois eu sou
Nunca outro
Já somos a mesma coisa
densa e intocável
Me ame, e ainda será sã
Me odeie, e mais te terei!

Como é sábia essa minha solidão.
Amanda Medina
| | | 0 comentários

A dor

fluido puro,


Refinaria

o óleo essencial da verdade.



Amanda Medina

Epifania

26 de abr de 2012

| | | 0 comentários

...a primeira conversa igualitária de um casal
na chuva,
a noite.

Sobre o fim.


...sobre o nada que restou
e tudo que ocorreu.


O orgulho,
a dependência,
o costume,
a dor!


Lágrimas antecipadas
e anestesia póstuma


...era hora de recolher a carcaça amarfanhada do dia.

Amanda Medina
26/04/2012